quarta-feira, 4 de agosto de 2010


Capoeira é luta nossa!

Este livro estava pronto desde 2003.
Foi todo realizado no programa paint brush do windows, um programa aparentemente limitado, mas que, com o uso, descobri que tem inúmeros recursos dos quais se pode tirar muito proveito "artisticamente".

Apresentei-o na Lei Goyazes, foi aprovado mas não consegui fazer a captação de recursos. Apresentei também à Lei Municipal de Incentivo à Cultura e, depois de recusado duas vezes por motivos tecno-burocráticos, foi finalmente aprovado. E, afinal, publicado.



Então, por coincidência, estou publicando simultâneamente dois livros: Capoeira é Luta Nossa, pela Gráfica e Editora América, e De Gravuras e Cidades, pela Editora da UFG.


Gostaria de falar um pouco do primeiro (noutro momento quero falar do segundo). É uma viagem pela minha experiência com a Capoeira - tentei descrever isso graficamente no livro. Fui aluno, para sorte minha, de Mestre Bimba - uma figura de um carisma impressionante - no pequeno período em que ele viveu em Goiânia.
A capoeira foi muito enriquecedora para mim. Por ela tive contato com as mais diferentes pessoas - de regiões e estados do Brasil, de classes sociais, de níveis culturais, de raças, cores e credos. Me serviu para abrir a cabeça. Aprendi a tocar berimbau (mais ou menos) e conheci diversos e ricos ritmos, instrumentos e manifestações culturais, candomblé, samba de roda, maculelê, atabaques, agogô, caxixi...
Minhas primeiras gravuras foram sobre capoeira (na década de oitenta), me preocupei em ler sobre o tema e questões étnicas, migração, manifestações populares, músicas e instrumentos regionais, tanto que virei percussionista da banda Umbando, e finalmente retornei ao tema, tentanto prestar, com este livro, uma homenagem à Capoeira.

Essas imagens são algumas páginas do livro.
Tenho que fazer alguns agradecimentos por esse trabalho: A Marcos Lotufo, pelo design do livro, a Ana Lúcia do Centro Cultural Eldorado Carajás pelo apoio, a André Barcelos pela força e a Danilo Clímaco pelo texto de apresentação.

Um comentário:

arte potrich disse...

É bom saber que sempre tem alguém que pensa como a gente. Falou e disse tudo sobre a nossa luta brasileira... AXÉ, Zé! Vc é uma pessoa iluminada!!!