sexta-feira, 22 de julho de 2011

Fui convidado pela Usina de Artes - instituição estadual da cidade de Rio Branco, capital do Acre - para ministrar uma oficina de gravura em matrizes de plásticos, na primeira semana de julho último.

Tenho um livro sobre esse assunto, fruto de minha pesquisa de tese de doutorado, defendida em Madri - Espanha, no final do ano de 1995, publicado pela Editora da UFG, em 2004*.

Trabalhei com cinco tipos de plásticos - PVC, PVC expandido, poliestireno, polietileno, polipropileno, policarbonato e acrílico – para utilizá-los como matriz de gravura, pesquisando diferentes maneiras e materiais para gravar sobre sua superfície e imprimi-los.

As formas desenvolvidas para gravação foram: (a) incisões com ferramentas de xilogravura e de calcografia; (b) diluição, para criação de tons e texturas, com solventes fortes; (c) calor, através do uso de pirógrafo ou soldador elétrico, soldador a gás e queimas; (d) furadeira com pontas de metal ou volfrâmio e (e) impressão de texturas, com pressão, calor ou diluição.

Cada plástico tem características que os assemelham o os distinguem, como dureza para incisões (como o PVC e o acrílico), ou, ao contrário, ductibilidade, (como o polietileno e o PVC expandido; maior resistência ao solvente (como o polipropileno e o polietileno), ou menor (como o poliestireno e o acrílico); etc. Alguns são mais propícios para determinadas técnicas e outros para outras formas de gravar. Tem que se escolher o plástico de acordo com o objetivo ou o projeto, ou adaptar-se a eles.

Mas as possibilidades são muitas, com resultados algumas vezes semelhantes à xilogravura, outras vezes similares à gravura em metal e muitas vezes com características muito próprias que os distinguem de todos os processos de gravuras.

Além disso, permitem a impressão em relevo (como a xilo) ou em oco (como o metal) e, muitas vezes, dependendo da gravação, permitem a impressão simultânea em oco e em relevo. E, ainda, a impressão pelo método de Hayter.

*CLÍMACO, JCTS. Gravura em matrizes de plástico. Goiânia: Editora da UFG, 2004.



Posteriormente, postarei aqui algumas imagens de minhas experiências.












Fotos da oficina de gravura em matrizes de plásticos, ministrada na Usina de Artes em Rio Branco - Acre


Gravando a matriz de plástico com um soldador elétrico





Entintando a matriz com um rolo de xilografia para impressão em relevo



Limpando a matriz para uma impressão em oco, à maneira da gravura em metal

Impressão da matriz de plástico: ponta seca e pirógrafo em matriz de poliestireno




































Um comentário:

Dini disse...

Oh man... When I see all these people working engravings... You don't know how I miss that engraving lab of FAV