terça-feira, 26 de julho de 2011

... ainda, os plásticos na gravura...

Cada plástico tem uma característica, de modo que cada técnica pode apresentar resultados diferentes de acordo com o plástico utilizado.



A ponta seca , por exemplo, pode ser utilizada em todos os plásticos. No acrílico, cuja superfície é muito dura, obtemos um resultado mais parecido com a ponta seca sobre o cobre. No PVC é aproximado, assim como no policarbonato. No poliestireno, porém, como é muito macio, as rebarbas são muito mais acentuadas, de tal modo que se obtém muito facilmente áreas escuras, com um simples cruzamento de linhas.



Do uso do buril, pode-se dizer quase a mesma coisa. Pode ser usado em todos os plásticos. O acrilico, como é o mais duro, dá um resultado mais aproximado à gravura em metal, ah! e praticamente o mesmo grau de dificuldade de trabalhar que o cobre! Nos demais plásticos, é mais fácil o uso do buril, com belíssimos resultados. Por outro lado, tende a dar uma linha muito funda, que dificulta a impressão em oco, mas, dá um ótimo resultado na impressão em relevo.


Minha pesquisa em plástico não foi na busca de um substituto para o metal ou para a madeira, mas antes, para descobrir as possibilidades que os plásticos pode apresentar e, claro, tirar o melhor partido disso! Proximamente, falamos de outras técnicas nos plásticos...



Fico falando nesses nomes complicados, gostaria de observar que é muito difícil distinguir um plástico de outro, mesmo para os especialistas! O poliestireno é esse plástico mais comum usado em caixas de CDs e nos próprios CDs (quebra fácilmente). Acha-se para comprar em grandes placas. O polipropileno é esse plástico usado para encadernação nas fotocopiadoras, mais difícil para comprar, pelo menos na minha cidade. Acrílico se acha para comprar, mas, é meio caro. O polipropileno é barato. PVC, também se acha, é mais acessível para o bolso. O polietileno é um plastico leitoso, mais difícil de achar, é o melhor substituto para o linóleo!









Acima: gravura realizada em uma matriz de poliestireno, plástico macio, que permite trabalhar com diversas ferramentas. Nessa matriz foram utilizadas, basicamente, ponta seca e buril, mas, também, roleta, berçô, goiva e diluição com solvente e carborundum.


Abaixo: gravura também realizado em poliestireno, ponta seca, buril e gravação de textura. (Ambas as imagens são de 1995)



Um comentário:

Dini disse...

That's right man... May could be the explanation because I like to do interferences in acrylic bases.